Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Governador diz que o vilão do preço dos combustíveis não é o ICMS - Nova Difusora

Fale conosco via Whatsapp: +11976774820

No comando: Em Pauta

Das 08:00 às 09:00

No comando: Programa Wellignton de Andrade

Das 09:00 às 10:00

No comando: AVENTURAS SERTANEJAS EDIÇÃO DE SÁBADO

Das 09:00 às 11:00

No comando: Francisco Rossi e você

Das 10:00 às 12:00

No comando: Conexão Regional

Das 11:00 às 12:00

No comando: Sintonizados

Das 12:00 às 14:00

No comando: Roda de Amigos

Das 13:00 às 14:00

No comando: AVENTURAS SERTANEJAS

Das 14:00 às 15:00

No comando: CLÁSSICOS SERTANEJOS EDIÇÃO DE SÁBADO

Das 14:00 às 16:00

No comando: POSCAST

Das 15:00 às 16:00

No comando: Jornada Esportiva

Das 15:00 às 18:00

No comando: Papo Reto

Das 16:00 às 17:00

No comando: SAMBA DO BOCA

Das 16:00 às 18:00

No comando: Verdades Vivas

Das 17:00 às 18:00

No comando: Nova Esporte

Das 18:00 às 19:00

No comando: Pega Leve EDIÇÃO DE SÁBADO

Das 18:00 às 22:00

No comando: Pega Leve

Das 20:00 às 22:00

Governador diz que o vilão do preço dos combustíveis não é o ICMS

Em entrevista ao Diário da Região, Rodrigo Garcia, governador de São Paulo, disse que limitar a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em 17% para combustíveis e seus derivados, como o gás de cozinha, não reduz o custo na bomba de forma satisfatória.

Ele também ressaltou que essa medida deve impactar a médio prazo a Saúde e Educação já que a arrecadação cairá para o estado e também para os municípios porque a arrecadação do ICMS é dividida entre ambos, as prefeituras recebem repasse de 50% do tributo arrecadado.

“O vilão do preço dos combustíveis não é o ICMS e até apresentei números. Em novembro do ano passado, SP congelou o ICMS do diesel em R$0,63. Naquela época o diesel custava R$4,90. Hoje, sete meses depois o ICMS continua R$ 0,63 porque está congelado e foi prorrogada a medida até o final do ano, e o diesel custa, atualmente, quase R$ 7,00 o litro. Portanto o congelamento do ICMS não foi suficiente para segurar o preço dos combustíveis”, explicou.

“Fui a Brasília e sugeri duas coisas. A primeira é que quem manda no preço dos combustíveis no Brasil é a Petrobras e sempre foi, então que o governo usasse contas de estabilização para poder não deixar a Petrobras passar esse aumento para os combustíveis. A Petrobras já teve de lucro neste ano, em três meses apenas, R$ 50 bilhões. Para se ter uma ideia, a Shell é uma empresa três vezes maior que a Petrobras e ela tem uma lucratividade de 5% e a Petrobras tem lucro de quase 30%. Isso está errado. Precisamos primeiros culpar quem tem a culpa porque a Petrobras manda nos preços dos combustíveis”, detalhou Rodrigo Garcia.

O governador acrescentou ainda que “como governador de São Paulo a gente quer dar a nossa contribuição. Já dizemos isso, ano passado, congelando o ICMS do diesel em R$ 0,63 e pedi que a gente pudesse criar um entendimento entre estado e governo federal para compensar com a dívida pública parte desse ICMS que a gente está perdendo.  O ICMS que a gente perde leva a uma redução de recursos para gastar em Saúde, Educação, Segurança, por exemplo. O que reduz também o repasse aos municípios que recebem 50% da arrecadação de ICMS do estado. Na ponta da linha vai faltar esse dinheiro em algum momento”.

“Nós temos uma desarrumação fiscal no Brasil com esse tipo de lei e os investidores do mundo ficam olhando. O dólar já começou a subir essa semana, não por acaso, ele olha essa confusão fiscal que o Brasil está metido. O aumento da taxa de juros anunciado pelos Estados Unidos vai tirar investimento no Brasil. Estamos num momento delicado, a inflação está no bolso de todo mundo, a falta de perspectiva de crescimento econômico começa a ficar muito clara para todo mundo. Não tem solução simples para problema complexo. É preciso sentar e dialogar. Não dá para remendar um problema como esse”, completou.

Para o governador, “dificilmente só a redução de ICMS vai dar resultado na ponta da linha, na bomba, no preço dos combustíveis. Quando você reduz o imposto isso fica de margem para os empreendedores. Nós precisamos botar o Procon para acompanhar, a Polícia Civil para fiscalizar, ou seja, temos que unir o Brasil mas com responsabilidade fiscal”, finalizou.

O plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, aprovou em segunda votação, na quarta-feira (15), o projeto que limita a 17% a cobrança de ICMS sobre combustíveis, com 307 votos favoráveis e um contra. A proposta já havia sido aprovada por 348 votos favoráveis e nenhum contrário.

Fonte webdiario.com.br

Deixe seu comentário: